O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica






descargar 168.42 Kb.
títuloO movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica
página1/4
fecha de publicación27.10.2015
tamaño168.42 Kb.
tipoDocumentos
med.se-todo.com > Documentos > Documentos
  1   2   3   4
O MOVIMENTO ECOLÓGICO NO BRASIL (1974-1986): DO AMBIENTALISMO À ECOPOLÍTICA

 

Eduardo J. Viola

 

 

Crise ecológica e ecologismo: uma introdução

 

A humanidade faz parte da natureza e depende dela para sua sobrevivência, mas a civilização dá a ela o poder de mexer com a natureza em escala sempre crescente, para bem ou para mal. Entre os efeitos negativos desta intervenção humana encontram-se: destruição do solo através de seu uso abusivo, provocando erosão, inundações e alterações do clima; ameaça à vida biológica nos oceanos, lagos e rios, devido à poluição de suas águas; envenenamento da atmosfera com vapores prejudiciais; criação e produção de armas com poderes absolutos de destruição de qualquer forma de vida; concentração de atividades industriais e comerciais em áreas superlotadas, até o. ponto em que as deseconomias externas do congestionamento, da poluição e da alienação da moderna vida industrial e urbana anulam os ganhos em qualidade de vida obtidos através do aumento do consumo material.

O comportamento humano já gerou múltiplas, e, às vezes, profundas crises ecológicas ao longo da História (Toynbee,1982). Como produto destas, algumas civilizações desapareceram. O comportamento predatório não é novo na história humana, não se restringe nem ao fim do século XX e nem aos últimos dois séculos de industrialismo, o que sim é novo é a escala dos instrumentos de predação, cujo símbolo máximo são as armas nucleares. A partir de Hiroshima e, mais precisamente, a partir da segunda metade da década de. 50 a humanidade atingiu a capacidade de auto-extermínio. (Para uma excelente discussão sobre a capacidade de auto-extermínio ver Koestler, 1981; Pringle & Spigelman, 1981; Schell, 1985.)

Quatro catástrofes ameaçam concretamente a humanidade neste fim de século: a guerra nuclear; o lixo atômico acumulado e acidentes em usinas nucleares; o efeito estufa e o enfraquecimento da camada de ozônio na atmosfera. Sobre o primeiro não é necessário dizer mais nada além da existência de armas acumuladas que permitiriam destruir 120 vezes a vida na Terra e o surgimento da doutrina da possibilidade de ganhar uma guerra nuclear na década de 80; iniciativa do Reaganismo (Galtung, 1985) com o desenvolvimento de armas de primeiro golpe (mísseis Pershing na Europa) e de defesa absoluta (Programa de "Guerra nas Estrelas" (Thompson, 1985)). Sobre as usinas nucleares, o acidente de Chernobyl mostrou-nos apenas um pálido exemplo do que poderia ser um acidente nuclear maior (Patterson, 1980). O efeito estufa é menos conhecido pela opinião pública, apesar de ter sido objeto de importantes estudos científicos (ver Massachusetts Institute of Tecnology, 1971). Como conseqüência do aumento do dióxido de carbono na atmosfera (produto fundamental da queima de combustíveis fósseis e mesmo biomassa), há um acúmulo progressivo de energia e uma tendência ao aumento da temperatura média da Terra. Cientistas vêm monitorando esta acumulação deste início da década de 60 e seus cálculos indicam uma crise dramática daqui a quatro décadas. O ozônio é um elemento instável, responsável pela filtragem da radiação ultravioleta, que está sendo destruído pela contaminação da atmosfera por aerosóis e outras causas não muito conhecidas. Nos últimos 5 anos a situação adquiriu um caráter dramático na Antártida: uma janela cada vez maior indica um brutal enfraquecimento de 40% na camada de ozônio da região.

A década de 70 marca o despertar da consciência ecológica no mundo: Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente em Estocolmo (1972) ; relatório Meadows (1972) sobre os limites do crescimento e relatórios subseqüentes (Tinbergen, 1978; Laszlo, 1977; Bariloche); surgimento do paradigma teórico da ecologia política; proliferação de movimentos sociais ecologistas no mundo norocidental (Eckholm, 1982; Meadows, 1972; Mesarovich & Pestel, 1984; Borgstrom, 1971; Goldsmilh et atii, 1972; Hoffmann et alii, 1982; Falk, 1982) (1). Pela primeira vez os problemas de degradação do meio ambiente provocados pelo crescimento econômico são percebidos como um problema global que supera amplamente diversas questões pontuais que eram arroladas nas décadas de 50 e 60 pelas agências estatais de meio ambiente dos países do 1º Mundo.

Foi no clima de crise do marxismo, na década de 70, que os movimentos ecológicos se desenvolveram. (Sobre a relação entre crise do marxismo e emergência do movimento ecológico ver Gorz, 1978; Barho, 1984; Gabeira & Bendit, 1985b.).Três fatores principais estão na base da crise do marxismo, tanto enquanto modelo explicativo do funcionamento da sociedade, como enquanto referencial normativo para sua transformação: o caráter totalitário do socialismo real, a complexidade sócio-política do capitalismo contemporâneo e a crise ecológica. O caráter totalitário da sociedade soviética e do resto do bloco socialista foi ficando cada vez mais claro para a esquerda ocidental anticapitalista (que tinha-se negado a "ver" a realidade durante pelo menos três décadas) através de uma série de acontecimentos exemplares: invasão soviética à Tchecoslováquia em 1968; revoltas operárias na Polônia em 1970 e 1976; formação das organizações de defesa dos direitos humanos na URSS; dinâmica genocida do Khmer Vermelho em Cambodja logo após a tomada de Phnom Penh em 1975; forte repercussão dos livros de A. Soljenitsyn O arquipélago Gulag e R. Barho "A alternativa" (Soljenitsyn, 1975; Barho, 1978). A partir de meados da década de 70 vai processando-se um enfraquecimento paulatino do movimento operário e sindical no mundo (o Brasil é uma das poucas exceções) como produto de profundas transformações tecnológicas na relação capital-trabalho, o que torna cada vez mais insustentável o argumento marxista que coloca a classe operária como agente principal da mudança histórica em direção ao socialismo (Gorz, 1981). Finalmente, a crise ecológica questiona no seu cerne o marxismo: a teoria do valor-trabalho supõe a infinitude dos recursos naturais e a natureza como um objeto passivo desprovido de valor (Tamames, 1979). O Marx da maturidade associava a sociedade ideal a um desenvolvimento ilimitado das forças produtivas materiais, o socialismo continua e aprofunda o capitalismo neste sentido.

Os movimentos ecológicos são parcialmente herdeiros da cultura socialista e particularmente da crítica marxista da ética utilitarista (Ramos, 1981). O ecologismo critica o utilitarismo não apenas nas relações no interior da sociedade (como o faz o marxismo), mas também, e fundamentalmente, nas relações sociedade-natureza. Os movimentos ecológicos e pacifistas constituem-se num ponto de inflexão na história da mobilização social e da ação coletiva: trata-se de movimentos portadores de valores e interesses universais que ultrapassam as fronteiras de classe, sexo, raça e idade. (Sobre o caráter universal dos movimentos ecológicos e pacifistas veja-se Offe, 1983; Galtung, 1984; Mische, 1985; Bobbio, 1982; Diner, 1983, p. 86-107). Os movimentos ecológicos e pacifistas são extremamente complexos desde o ponto de vista sociológico: sua base social atravessa definidamente as fronteiras de classe (participam profissionais de alta qualificação, estudantes, camponeses, colarinhos brancos, funcionários públicos, operários, pequenos empresários, executivos); sexo (participam homens e mulheres); raça (geralmente há participação de minorias étnicas); idade (desde jovens estudantes e crianças do primário até aposentados) (Capra & Spretnak, 1984). O movimento ecopacifista tem o potencial de incorporação da grande maioria da humanidade (a paz e o equilíbrio ecológico estão diretamente associados à própria sobrevivência da espécie); exceto somente os agentes sociais que ocupam as posições dominantes do complexo militar-industrial-científico da maioria dos países, que são intrinsecamente portadores da lógica predatório-exterminista do mundo contemporâneo.

Outros movimentos sociais (movimento operário e camponês) têm sua dinâmica de ação coletiva vinculada fundamentalmente a uma posição específica na estrutura produtiva da sociedade, ou no local de moradia (associações de moradores), ou em outras características marcantes desde o ponto de vista cultural e biológico (feminismo, estudantes, minorias étnicas). Qualquer deles tem uma base social real e potencial de desenvolvimento que é sociologicamente delimitada segundo unia situação específica na estrutura social. Apesar do caráter universalizante que, em muitas situações históricas, adquire seu discurso, trata-se de movimentos com limites definidos quanto a potencial de incorporação, ainda que estes limites podem ser muito amplos em alguns casos (o movimento operário na fase de industrialização extensiva, o feminismo hoje, a metade da humanidade).

Diante do quadro de exacerbada degradação social e ambiental em escala planetária, o movimento ecológico propõe um novo sistema de valores sustentado no equilíbrio ecológico, na justiça social, na não-violência ativa e na solidariedade diacrônica com as gerações futuras (Capra & Spretnak, 1984; Porritt, 1984; Journes, 1979). O meio ambiente surge para o movimento ecológico como uma dimensão fundamental do desenvolvimento, através da idéia-força de ecodesenvolvimento (Boulding, 1978; Sachs, 1982). A grande maioria dos ecologistas (exceto uma minoria romântica) é favorável a um desenvolvimento ecologicamente equilibrado que inclui a utilização prudente da maioria das tecnologias contemporâneas, rejeitando somente aquelas intrinsecamente predatórias. Neste sentido, as propostas mais difundidas entre os ecologistas ─ e que se referem ao desenvolvimento de tecnologias apropriadas que reflitam a interdependência da humanidade com a Terra ─ são, entre outras, as seguintes: produção de energia flexível que trabalha com os ciclos do sol, da água e do vento; agricultura de regeneração que reabastece o solo e incorpora meios naturais de controle das pragas; fim da devastação das fontes de recursos naturais (renováveis e não-renováveis); parada do envenenamento da biosfera pelo descarregamento de lixo tóxico; drástico controle da poluição do ar efetuada pelas indústrias e meios de transporte e redução dos "níveis aceitáveis" de exposição radioativa.

Os problemas de degradação ambiental enfrentados pelos ecologistas dos 1º e 3º Mundos são de similar natureza, mas os problemas de degradação social são profundamente diferentes; no 1º Mundo a grande maioria da população tem resolvida a satisfação das necessidades materiais básicas (alimentação, moradia, saneamento básico, vestimenta, transporte), no 3º Mundo a maioria da população vive em condições miseráveis. Por isto, os problemas de degradação sócio-ambiental são muito mais graves no 3º Mundo do que no 1º (Oliver, 1983). Os pobres das cidades não contam com água potável nem saneamento básico e sua subnutrição os expõe em escala ampliada e um meio ambiente superpoluído. Os sistemas de proteção no meio ambiente de trabalho dos operários industriais são muito precários se comparados com seus similares do Norte. Os pobres do campo são sempre as vítimas, e muitas vezes os agentes, de perturbações ecológicas: cultivam as encostas que deveriam ser deixadas cobertas de árvores, usam agrotóxicos em escala indiscriminada expondo suas próprias vidas, além do conjunto do ciclo biológico. O Estado, a burguesia local e as corporações multinacionais são tão predatórios em relação ao meio ambiente como o são em relação à força de trabalho.

A situação da população do 2º Mundo aproxima-se à do 1º, com a importante diferença de que não tem acesso a grande parte do consumo suntuário de massas do 1º Mundo, e por esta razão tem um comportamento mais ecológico (ainda que o fascínio com o Ocidente leve a ter a pretensão de uma elevação predatória da capacidade de consumo) (Morin, 1985; Novik, 1982). O caráter autoritário-totalitário do sistema político bloqueia a emergência de movimentos ecológicos autônomos no 2º Mundo.

A expectativa do movimento ecológico para o 1º Mundo é que um processo de educação ambiental generalizada (que implicará uma for te reestruturação da distribuição do poder na sociedade) tornaria possível e provável a incorporação, por parte da grande maioria da população, de valores pós-materialistas com o conseqüente autocontrole na satisfação das necessidades materiais. Para o 2º Mundo a expectativa é similar, ainda que se suponha que este processo seja mais lento devido aos limites do regime político, já que também aí deveria acontecer uma forte redistribuição do poder.

A expectativa dos ecologistas para o 3º Mundo é um processo de desenvolvimento ecologicamente auto-sustentado e socialmente justo que elevaria consideravelmente o nível de consumo material das grandes massas populares, ao mesmo tempo que se estagnaria e racionalizaria o consumo das classes médias (e, obviamente, reduzir-se-ia o consumo das classes altas). Este padrão de desenvolvimento exige uma reestruturação do poder mais drástica que nos 1º e 2º Mundos. No 3º Mundo a difusão da consciência ecológica deveria implicar também uma introdução generalizada de valores pós-materialistas na população, ainda que com características diferenciadas: alterando os hábitos efetivos de sobre consumo dos setores altos e médios; mudando os componentes predatórios das expectativas de consumo dos pobres (gerados pelo efeito de demonstração) e reduzindo seu crescimento demográfico.

O movimento ecológico enfrenta no Sul maiores desafios que no Norte, devido à explosiva combinação dos problemas de degradação ambiental e injustiça social. Existe uma complexa tensão entre a justiça social (que pode implicar, valorizar a distribuição sobre a ecologia) e o ecologismo (que pode implicar valorizar a ecologia sobre a distribuição). Os movimentos ecológicos do 3º Mundo têm sua base social reduzida aos setores médios e enfrentam dificuldades, apesar de alguns esforços desenvolvidos, em penetrar os setores populares. Os setores populares do Sul (movimento sindical, movimentos populares urbanos e rurais) mantêm-se distantes do discurso ecologista, apesar de que alguns dos objetivos mais importantes destes movimentos são profundamente ecologistas (luta por condições de trabalho; saneamento básico, melhoria dos serviços de saúde pública, propriedade da terra para quem a trabalha).

A visão da vida humana que o movimento ecológico traz significa um ponto de ruptura na história do pensamento e do senso comum do Ocidente: constituí-se um novo paradigma (Capra, 1986; Capra & Spretnak, 1984). É devido a este caráter reestruturador cultural e político tão profundo do movimento ecológico que ele se transforma no eixo do surgimento de uma nova safra de partidos políticos, os partidos verdes ou ecopacifistas (Busklin, 1985, p. 463-81; Muller-Rommel, 1985, p. 483-99; Frankeand, 1983;Mewes, 1983). São partidos de valores que não pretendem transformar-se em majoritários, enquanto partidos, e governar ou tomar revolucionariamente o poder (que foram os objetivos em que bifurcou-se o movimento socialista surgido no século XIX), senão agir como transformadores da cultura política introduzindo valores pós materialistas. É claramente o caso do primeiro partido verde, o Partido dos Valores da Nova Zelândia, fundado em 1969, que conseguiu num curto período afetar profundamente a cultura política, ecologizando os dois partidos tradicionais (Trabalhista e Nacional) que alternaram-se historicamente no poder. É a situação presente no Partido Verde Alemão que está influenciando profundamente a social-democracia, produzindo a emergência no seu seio da importante corrente ecossocialista. É o caso do Partido Verde Belga que, após 5 anos de trabalho rigoroso e sistemático no Parlamento, conseguiu ser respeitado pela maioria da população e muito considerado pelas agências estatais

Junto com o desenvolvimento do movimento social ecologista surge no mundo ocidental, na última década, um conjunto de pensadores de diversas procedências teóricas (marxismo, teoria dos sistemas, liberalismo) e de variada formação disciplinar que vem tematizando a crise mundial em termos de ecologia política. A título ilustrativo podemos mencionar os seguintes autores por área disciplinar de origem: Filosofia: Edgar Morin, Gregory Bateson, Cornelius Castoriadis, Fritjof Capra, Roger Garaudy, Ivan Illich, Henry Skolimowsky (Bateson, 1972; Garaudy,1981; Castoriadis & Bendit, 1981; Skolimowski, 1981; Morin, 1981; Illich, 1976); Biologia: Barry Commoner, René Dubos, Francisco Varela, Norman Moore (Commoner, 1980; Ward & Dubos, 1972; Varela, 1980); Ecologia: Konrad Lorenz, Jean Dorst, Raquel Carlson, Edward Wilson, Paul Colinveaux, Frank Darling (Lorenz, 1986; Dorst, 1973; Carlson, 1980; Wilson, 1981; Colinveaux, 1981; Darling, 1975); Geografia: Pierre George, Warren Johnson, Amilcar Herrera, YiFu Tuan (George, 1974; Johnson, 1981; Tuan, 1983; Herrera, 1982); Sociologia: Johan Galtung, Alberto Guerreiro Ramos, André Gorz, Jean Pierre Dupuy, Joseph Huber (além das obras já citadas de Johan Galtung, veja-se: Galtung, 1980; Dupuy, 1980; Huber, 1985); Ciência Política: William Ophuls, Richard Falk, Ronald Inglehart (Ophuls, 1977; Falk, 1971; Inglehart, 1977); Antropologia: Richard Wikinson, George Oliver, George Balandier (Wikinson, 1974; Oliver, 1979; Balandier, 1985); História: Arnold Toynbee, Lewis Mumford, Theodore Roszack; (Toynbee, 1979; Rosback, 1985); Economia: Robert Heilbroner, Kenneth Boulding, E. F. Schumacher, Aurelio Peccei, Herbert Woodward, Donela Meadows, Nicholas Georgescu-Roegen, Jean Tinbergen, Ignacy Sachs, Joy Forrester (Schumacher, 1977; Georgescu-Roegen, 1976; Heilbroner, 1972; Peccei, 1981; Woodward, 1977; Forrester, 1971); Agronomia : René Dumont, José Lutzenberger (Dumont, 1973; Lutzenberger, 1980); Demografia: Paul Ehrlich, Jean Fourastié (Fourastié, 1970; Ehrlich, 1968); Arquitetura: Pierre Audibert, Alexander Mitscherlich, S. Baer (Mitscherlich, 1972; Audibert, 1979; Baer, 1976); Astronomia: Carl Sagan, Eric Chaisson (Chaisson, 1984; Sagan, 1980); Química: Ilya Prigogine, Isabelle Stengers (Prigogine & Stengers, 1984); Psicologia: Pierre Weil, Marilyn Ferguson (Ferguson, 1982; Weil, 1984); Educação: Gerald Mische, R. Thomas Tanner (Mische, 1977; Tanner, 1978). Todos estes autores constatam que o mundo, como sistema complexo, apresenta limites intransponíveis, e que a insistência na transposição desses limites representa uma ameaça decisiva à sobrevivência da espécie humana. A ecologia política faz do valor de sobrevivência ─ respeito dos sistemas vivos e resistência à destruição da vida ─ o fundamento necessário para a construção e legitimação de um sistema de valores sócio-político pós-materialista.

Para os pensadores da ecologia política, o maior desafio à prática da democracia liberal vem sendo colocado pela situação de "escassez ecológica" que vivemos, isto é, pelo reconhecimento de limites e coações à atividade humana na biosfera, entendida como um sistema de recursos finitos. Esta situação de escassez ecológica requer a auto-imposição de controles globais que garantam as condições mínimas para o funcionamento equilibrado da biosfera. A democracia liberal estimula a superexploração competitiva de recursos escassos, os estilos de vida hedonistas, a liberdade entendida como capacidade ilimitada de ação individual, os jogos de poder irresponsáveis, o imediatismo e descompromisso com as gerações futuras. A democracia contemporânea, além de capitalista na sua base sócio-econômica, é predatória na sua relação com a natureza. Para a ecologia política um novo dilema básico agrega-se aos outros dois fundamentais que dominaram o século XX (democracia-autoritarismo, capitalismo-socialismo): sociedade predatória-sociedade ecológica.

Este último dilema ocupa uma posição hierarquicamente superior, o valor democracia é redefinido pelo valor ecologia, ou seja, a democracia precisa ser limitada pela necessidade de preservação do equilíbrio ecológico. As questões como extensão e profundidade de participação no processo decisório subordinam-se (mas não se reduzem) ao conteúdo normativo ecológico do sistema político. Muitos dos pensadores da ecologia política criticam os limites da democracia representativa desde uma época que os situa perto da democracia participativa (combinação de democracia representativa e democracia direta), porém diferenciam-se dos pensadores da democracia radical, em virtude de que estes colocam no topo da escala normativa o valor participação política, subalternizando ou desconsiderando o caráter predatório ou ecológico desta participação. O pensamento democrático radical foi decisivamente marcado pela contestação antiautoritária da década de 60, sendo o eixo liberdade opressão a chave de decifração desta subcultura, com tudo o que ela implicava de supostos otimistas e onipotentes sobre a vida humana. A ecologia política é produto de uma redefinição mais pessimista e modesta sobre a natureza humana e a gravidade da presente situação, onde o eixo vida-morte substitui o de liberdade-opressão, como chave de decifração (Feber & Heller, 1984).

A tensão entre democracia e ecologia reflete-se no movimento ecológico através da clivagem existente no seu interior entre os fundamentalistas e os realistas. Os primeiros são mais preocupados com a pureza do movimento, com a criação de uma economia alternativa periférica e fortemente relutantes a qualquer aproximação com outras forças sócio-políticas. Os realistas são mais preocupados com a extensão do movimento verde, a formulação de um programa econômico de transição viável capaz de ecologizar paulatinamente a sociedade desenvolvimentista e interessados numa aproximação com setores social-democratas, socialistas e liberais que mostram-se sensíveis ao programa ecologista. Os fundamentalistas, enfatizando a pureza do movimento, tendem a adotar uma visão maniqueísta e a bloquear o diálogo com a sociedade, configurando um potencial messiânico-autoritário. Acredito ser fundamental para a dinâmica futura do movimento ecologista continuar-se a configuração atual em que são os realistas e não os fundamentalistas os que dão a tônica ao conjunto do movimento. Isto sem prejuízo de reconhecer o papel positivo que os fundamentalistas cumprem no processo permanente de construção da identidade ecologista, desde que contidos ao lugar de um ator secundário. Os realistas enfrentam a tensão existente entre ecologia e democracia hierarquizando valorativamente a primeira, mas valorizando também a segunda, o que se expressa na proposta de persuadir a sociedade, através de métodos democráticos, sobre a necessidade da opção ecologista. Os fundamentalistas enfrentam a tensão entre ecologia e democracia, desvalorizando a segunda a nível macrossocial, o que os coloca num perigoso dilema com o isolamento de um lado e o potencial da vanguarda iluminada-autoritária do outro.

Se existe um consenso sobre o problema da democracia entre os pensadores ecologistas, não existe consenso a respeito do dilema capitalismo-socialismo, exceto na sua subordinação ao dilema fundamental ecologia-predação. Existem três posições básicas na ecologia política em relação a esse dilema: ecologista, ecossocialista e ecocapitalista.

Sintetizando as posições existentes no movimento ecologista mundial e na teoria política ecologista podemos diferenciar quatro posições ecologistas fundamentalistas, ecologistas realistas, ecossocialistas e ecocapitalistas. A posição ecologista fundamentalista, de herança anarconiilista, é de horizonte bastante pessimista; acredita na construção de uma sociedade ecologista alternativa na periferia da sociedade materialista, desconsiderando as possibilidades de transformação global da sociedade. (Uma excelente apresentação da visão fundamentalista encontra-se em Diener & Supp, 1982). Acredita-se irreversível a lógica predatório-exterminista do mundo contemporâneo, constituindo-se numa ruptura fundamental com a tradição ocidental judeu-cristã desde que o futuro é inviável (não há Terra nem Paraíso), restando apenas esperar o fim vivendo de modo coerente com os princípios.

Os ecologistas realistas apostam na possibilidade de transformação da sociedade, a partir da construção e desenvolvimento de um movimento ecologista rígido nos princípios e flexível na interação com a sociedade. (Uma excelente visão do argumento ecologista realista encontra-se em Galtung, 1984; Ramos, 1981; Sachs, 1982; Schumacher, 1977; Barho, 1984.) O referencial normativo é um sistema sócio-econômico radicalmente diferente do capitalismo e do socialismo, baseado na pequena propriedade privada e na propriedade cooperativa (predominantemente média, mas também grande) com autogestão do sistema produtivo e ênfase no Estado de nível local (município, região) como alocador de recursos. Mas o caminho para chegar até aquele passa por uma longa transição, ecologizando progressivamente os capitalismos e socialismos realmente existentes. A posição ecologista realista é herdeira do socialismo utópico (Proudhon, Fourier, Owen), do socialismo democrático (Kautsky, Adel, Jaurés, Blum, Gramsci, os esposos Webb, de León), do liberalismo de desenvolvimento da pessoa (John Stuart Mill, Henry Thoreau, James Dewey, Bertrand Russell) e do gandhismo.

A posição ecossocialista é favorável a uma ruptura com a sociedade capitalista (e a socialista real, considerada uma variante estatizada da primeira), segundo o referencial normativo da estatização ampla do sistema produtivo gerido através de planejamento participativo centralizado. (Para uma apresentação da visão ecossocialista veja-se Dumont, 1984; Offe, 1984.) Esta postura considera inviável uma ecologização progressiva do capitalismo e do socialismo real tal como é preconizada pelos ecologistas realistas. Um marxismo agiornado, bastante heterodoxo, continua sendo fundamental na visão de mundo ecossocialista. Ela é herdeira do socialismo revolucionário-democrático (Marx, R. Luxemburgo, Lefort-Castoriadis da fase "Socialismo ou Barbárie").

A posição ecocapitalista argumenta a favor do mercado como alocador de recursos, sendo este disciplinado por um Estado que opera como guardião ecológico da sociedade, sendo compatível com o predomínio da grande propriedade oligopólica. (Para uma apresentação da visão ecocapitalista veja-se Peccei, 1981; Woodward, 1977.) O Estado de Bem-Estar Social deverá transformar-se no Estado de Bem-Estar Sócio-Ecológico. A posição ecocapitalista tem uma visão um tanto otimista do futuro (ao menos segundo os parâmetros relativamente pessimistas do conjunto do ecologismo), sendo herdeira da social-democracia (Bernstein, Schumpeter, Brandt, Palme); do liberalismo social (Harold. Laski) e do conservadorismo social (Bismark, De Gasperi).

No movimento social ecologista mundial a posição ecologista realista é definidamente predominante, sendo minoritárias as outras três. Fora do movimento ecológico a situação muda. Nos setores sensíveis à ecologia da opinião pública ocidental a posição ecocapitalista é predominante, sendo secundária a posição ecologista-realista. A posição ecossocialista predomina nos setores sensíveis à ecologia da subcultura socialista-comunista ocidental (por exemplo a forte corrente verde do Partido Comunista Italiano encabeçada por P. Ingrao) e nos setores sensíveis á ecologia da oposição democrática em algumas sociedades da Europa Oriental (Polônia, Alemanha, Hungria, Tchecoslováquia). Finalmente a posição ecologista fundamentalista, por definição, não existe fora do movimento ecologista.

Depois desta introdução sobre o significado da crise ecológica e do ecologismo no mundo, entramos na análise da situação brasileira que é 0 objetivo específico deste paper. Quatro décadas de crescimento econômico acelerado no Brasil trouxeram uma profunda degradação ambiental, talvez a mais intensa e acelerada que aconteceu na história do industrialismo. (Dumont & Mottin, 1982; . Olivier, 1983; Vitale, 1983; Lutzenberger, 1985a e 1985b, p. 14-32; Ramos, 1980.) Quase paralelamente ao 1.° Mundo, ainda que numa escala muito menor, desenvolveram-se no Brasil os movimentos ecológicos. Podemos situar seu início em 1974, ano em que se inicia a política de "distensão" do presidente Geisel, com o conseqüente afrouxamento dos controles estatais sobre a organização da sociedade civil. (Sobre o contexto geral do surgimento do movimento ecológico em relação a outros movimentos sociais veja-se Mainwaring & Viola, 1984.) O Brasil é o país da América Latina em que os movimentos ecológicos nascem mais cedo e adquirem uma relevância maior até o momento. Nossa hipótese é que podemos diferenciar três períodos na história do movimento ecológico no Brasil. Uma primeira: fase que chamamos de ambientalista, desde 1974 até 1981, caracterizada pela existência de dois movimentos paralelos auto-identificados como apolíticos: os movimentos de denúncia da degradação ambiental nas cidades e nas comunidades alternativas rurais. Uma segunda fase que chamamos de transição, desde 1982 até 1985, caracterizada pela confluência parcial e politização explícita progressiva dos dois movimentos acima assinalados, além de uma grande expansão quantitativa e qualitativa de ambos. Uma terceira fase, que chamamos de opção ecopolítica, começa em 1986, quando a grande maioria do movimento ecológico auto-identifica-se como político e decide participar ativamente na arena parlamentar.

Este paper é um produto parcial de uma pesquisa iniciada em 1981 e retomada em 1985-86. Tenho trabalhado com material documental produzido pelo próprio movimento ecológico e informação jornalística; realizado entrevistas em profundidade com membros do movimento ecológico de seis Estados (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais); e realizado observação participante sistemática no movimento ecológico de Santa Catarina e eventual nos outros cinco Estados.

Sou consciente do caráter pioneiro deste trabalho e das conseqüentes limitações acadêmicas que isto implica. A repercussão da problemática ecológica no meio acadêmico das ciências sociais na América Latina, e no Brasil em particular, tem sido até agora muito reduzida. O errôneo suposto de que "ecologia é problema de país desenvolvido" está por trás deste desinteresse. Esperamos que este paper contribua para dissolver alguns preconceitos que ainda bloqueiam a aproximação da problemática da ecologia política por parte de nossos cientistas sociais.

 
  1   2   3   4

similar:

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconVender como vino ecológico el vino que simplemente se ha elaborado...

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconOrigens do movimento romântico em Portugal

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconGuión radial ecológico

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconEducación para la sostenibilidad: Un enfoque ecológico

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica icon~ Rosario Castellanos, 1925 1974

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconEditorial Guadalupe, Buenos Aires, 1974

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconEditorial Guadalupe, Buenos Aires, 1974

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconLa desertización en brasil

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica icon© 1986 Javier Vergara Editor, S. A

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconSemana de Brasil en Ávila


Medicina





Todos los derechos reservados. Copyright © 2015
contactos
med.se-todo.com