O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica






descargar 168.42 Kb.
títuloO movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica
página4/4
fecha de publicación27.10.2015
tamaño168.42 Kb.
tipoDocumentos
med.se-todo.com > Documentos > Documentos
1   2   3   4

Notas Biográficas

 

1 - Ver também: World Constitution and Parliament Association, A Constitution for the Federation of Earth. Debatida e aprovada em Innsbruck, Áustria, em junho de 1977, é a primeira elaboração formal de uma Constituição mundial de orientação ecopacifista.

 

2 - Uma excelente coletânea de algumas de suas crônicas foi publicada pela AGAPAN

 

3 - Existem dois tipos de comunidade desde o ponto de vista geográfico: o que está na região Sul-Sudeste com alguma proximidade com centros urbanos médios ou grandes e o que está na região Centro-Oeste, praticamente cortado de contato com as cidades.

 

4 - Particularmente importante neste aspecto é o Crepúsculo do macho e, mais recentemente, Vida alternativa.

 

5 - A comissão organizadora da revista foi constituída por Aldemir Martins, Burle Marx, Cláudio Villas Boas, Clélia Maria Leite, Darcy Penteado, Miguel Abella, Luiz Carlos de Barros, Orlando Villas Boas, Rebollo Gonzales e Tito Batini. Foram publicados 20 números entre 1978 e 1983 (tiragem de 2.000 exemplares); a publicação ficou suspensa em 1984-85, e foi retomada em 1986.

 

6 - Apesar da derrota eleitoral de 1982 e da conseqüente derrubada da experiência de Lages, esta tem um valor histórico na América Latina: um governo municipal orientado por princípios de justiça social, ecologia e democracia de base no interior de um regime autoritário no plano nacional e com a oposição sistemática do governo estadual de Santa Catarina. Em termos de movimento ecológico de Santa Catarina a experiência de Lages constituir-se-á num referencial fundamental de várias associações surgidas posteriormente, começando pelo próprio, "Movimento Ecológico de Lages", surgido em 1983, logo após a derrota da tendência Carneiro, nas eleições municipais de 1982.

 

7 - Gastão Gonçalves foi, provavelmente, o candidato ecologista mais criativo ao elaborar o "Programa Parlamentar Cooperativo", que estabelecia um sistema de decisões democrático e preciso entre o candidato e sua base.

 

8 - Sobre os componentes definitivamente ecologistas do movimento contra as barragens veja-se: Scherer-Warren & Reis, 1985. Segundo estimativa de Carlos Minc (1985), existiam, em 1985, entre 900 e 1.000 associações ecologistas autônomas no Brasil.

 

9 - Uma clara exceção a esta sensibilidade são as multinacionais, produtoras de agrotóxicos, que têm levado uma intensa e sistemática campanha contra as tentativas estaduais (e, em menor medida federal, durante o Ministério da Agricultura de Pedro Simon) de disciplinar e controlar o uso de agrotóxicos.

 

Bibliografia

 

ALBERONI, Francisco. Movimento e instituzione Teoria generale. Bologna, II Mulino, 1981.

 

ALVES, Márcio Moreira. A força do povo. Democracia participativa em Lages. São Paulo, Brasiliense, 1980.

 

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Petrópolis, Vozes, 1985.

 

ABNT, Ricardo (org.). O armamentismo e o Brasil. São Paulo, Brasiliense, 1985.

 

AUDIBERT, Pierre. A energia solar. Lisboa, Dom Quixote, 1979.

 

AVELINE, Carlos. De baixo para cima. A utopia no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1984.

 

BAER, S. Sunspots. Biotechnic Press, 1976.

 

BALANDIER, George. Le détour. Pouvoir et modernité. Paris, Fayard, 1985.

 

BARHO, Rudolf. From red to green. London, New Left Books, 1984.

 

____. L'alternative. Paris, Stock, 1978.

 

BATESON, Gregory. The ecology of mind. San Francisco, 1972.

 

BOA NOVA, Antonio Carlos. Energia e classes sociais no Brasil. São Paulo, Loyola, 1985.

 

BOBBIO, Norberto. El problema de la paz y las vias de la guerra. Barcelona, Gedisa, 1982.

 

BORGSTROM, George. Too many. New York, Collier, 1971.

 

BOSCHI, Renato. "A abertura e a nova classe média na política brasileira ─ 1977-1982". Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, ANPOCS, v. 1, n. 1, 1986.

 

____ & VALLADARES, L. "Problemas teóricos da análise dos movimentos sociais, comunidade, ação coletiva e o papel do Estado". Espaço e Debates. São Paulo, n. 8, jan.-abr. 1983.

 

BOULDING, Kenneth. Ecodynamic. A new theory of societal evolution. London, Sage, 1978.

 

BRANCO, Samuel Murgel. O fenômeno Cubatão. São Paulo, CETESB, 1984.

 

BRIGAGÃO, Clóvis. O mercado da segurança. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984.

 

BUSKLIN, Wilhem. "The german greens. The post-industrial non-stablished and the party system". International Political Science Review, v. 6, n. 4, p. 463-81, out. 1985.

 

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. São Paulo, Cultrix, 1986.

 

____ & SPRETNAK, Charlene. Green politics. The global promise. New York, E.P. Dutton, 1984.

 

CARDOSO, Ruth. "Movimentos sociais urbanos: um balanço crítico". In: ALMEIDA, M. & SORG, B. (org.). Sociedade e política no Brasil pós-64. São Paulo, Brasiliense, 1983.

 

CARLSON, Raquel. Primavera silenciosa. Barcelona, Grijalbo, 1980.

 

CASTORIADIS, C. & BENDIT, D. Cohn. Da ecologia à autonomia. São Paulo, Brasiliense, 1981.

 

CHAISSON, Eric. A autora cósmica. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1984.

 

COLINVEAUX, Paul. El destino de las raciones. Buenos Aires, Belgrano, 1981.

 

COMMONER, Barry. Energias alternativas. Barcelona, Gedisa, 1980.

 

DARLING, Frank. A ecologia das selvas. A floresta e a sobrevivência. São Paulo, Artenova, 1975.

 

DIENER, Ingof & SUPP, Eckhard. Ils vivent autrement. Paris, Stock, 1982.

 

DINER, Don. "The 'national question' in the peace movement. Origins and tendences". The New German Critique. University of Winsconsin, n. 28, p. 86-107, 1983.

 

DOIMO, A.M. et alii. "Os novos movimentos sociais. Teoria e prática". In: IX Reunião da ANPOCS, out. 1985.

 

DORST, Jean. Antes que a natureza morra. São Paulo, Edgar Blücher, 1973.

 

DUMONT, René. Ecologia socialista. The MIT Press, 1984.

 

____. L'utopia ou la mort. Paris, Seuil, 1973.

 

____ & MOTTIN M. F. El mal desarrollo en América Latina. México, Panorama Editorial, 1982.

 

DUPUY, Jean P. Introdução à crítica da ecologia política. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980.

 

DURHAN, Eunice. "Movimentos sociais, a construção da cidadania". Novos Estudos. São Paulo, CEBRAP, n. 10, 1984.

 

ECKHOLM, Erik P. Down to earth. Environment and human needs. New York, Norton & Company, 1982.

 

EHRLICH, Paul. The population bomb. Stanford University Press, 1968.

 

EVERS, Tilman. "Identidade: a face oculta dos novos movimentos sociais". Novos Estudos. São Paulo, CEBRAP, ano 2, n. 4, out. 1984.

 

FALK, Richard. Normative initiatives and demilitarization: a third system approach. World Worder Models Project, 1982.

 

____. This endangered planet. New York, Rondon House, 1971.

 

FEHER, Ferenc. & HELLER, Agres. "From red to green". Telos, n. 59, 1984.

 

FERGUSON, Marilyn. A conspiração aquariana. Rio de Janeiro, Record, 1982.

 

FORRESTER, Joy. World dynamics. Cambridge, Wright Allen Press, 1971.

 

FOURASTIE, Jean. Lettre ouverte a quatre milliards d'hommes. Paris, Editions Albin Michel, 1970.

 

FRANKLAND, Gene. "Interpreting the green phenomenon in west german politics, 1977-1983". APSA Meeting. Chicago, set. 1983.

 

CABEIRA, Fernando. O crepúsculo do macho. Rio de Janeiro, Civ. Brasileira.

 

____. Vida alternativa. Porto Alegre, L&PAA, 1985a.

 

____ & BENDIT, D. Cohn. Nós que amávamos tanto a revolução. Rio de Janeiro, Rocco, 1985b.

 

GALTUNG; Johan. Hitlerismo, Stalinismo y Reaganismo. Alicante, Juan Alivert, 1985.

 

____. "Los azules y los rojos; los verdes y los pardos: uma evaluação de movimentos políticos alternativos". Boletim de Ciências Sociais. Florianópolis, UFSC, n. 34, jul.-set. 1984.

 

____. The red worlds. A transnational perspective. New York, The Free Press, 1980.

 

GARAUDY, Roger. Apelo aos vivos. São Paulo, Nova Fronteira, 1981.

 

GEORGE, Pierre. O meio ambiente. Lisboa, Edições 70, 1974.

 

GEORGESCU-ROEGEN, Nicholas. Energy and economics myths. New York, Pergamon Press, 1976.

 

GIROTTI, Carlos A. Estado nuclear no Brasil. São Paulo, Brasiliense, 1984.

 

GOLDSMILH, Edward et alii. Manifesto para la supervivencia. Madrid, Alianza, 1972.

 

GONÇALVES, Carlos Porto. Paixão da terra. Rio de Janeiro, Rocco, 1984.

 

GORZ, André. Adios al proletariado. Mas allá del socialismo. Barcelona, El Viejo Topo, 1981.

 

____. Ecologie et politique. Paris, Seuil, 1978.

 

GRAZIANO NETO, Francisco. Questão agrária e ecologia. Crítica da moderna agricultura. São Paulo, Brasiliense, 1982.

 

HEILBRONER, Robert. Entre capitalismo y socialismo. Madrid, Alianza, 1972.

 

HERRERA, Amilcar. A grande jornada. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

 

HESS, Anselmo. Ecologia e produção agrícola. São Paulo, Nobel, 1980.

 

HOFMANN, N. et alii. Balance crítico y perspectivas. Diálogo Norte-Sur. Carácas, Nueve Imagen, 1982.

 

HUBER, Joseph. Quem deve mudar todas as coisas. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1985.

 

ILLICH, Ivan. A convivencialidade. Lisboa, Europa-América, 1976.

 

INGLEHART, Ronald. The silent revolution. Princeton University Press, 1977.

 

JACOBI, Pedro. Políticas públicas de saneamento básico e saúde e reivindicações sociais no município de São Paulo 1974-1984. USP, 1985. Dissertação de Doutorado.

 

JOHNSON, Warren. La era de la frugalidad. Barcelona, Kairós, 1981.

 

JO NETO, Olinto. Mata de estiva: uma tentativa comunitária. 1986 (mimeo.).

 

JOURNES, Claude. "Les idées politiques du mouvement ecologique". Revieu Françoise de Science Politique. v. 29, nº 2, 1979.

 

KOESTLER, Arthur. Jano. São Paulo, Melhoramentos, 1981.

 

KRISCHKE, Paulo & MAINWARING, Scott ( org.). A Igreja nas bases em tempo de transição (1974-1985). Porto Alegre, L&PM, 1986.

 

LAGO, Paulo Fernando. A consciência ecológica. A luta pelo futuro. Florianópolis, Ed. da UFSC, 1986.

 

LAMOUNIER, Bolívar. "Partidos políticos e consolidação democrática: o caso brasileiro". São Paulo, IDESP, 1986 (mimeo).

 

LASZLO, E. Goals for mankind. London, Hutchinson, 1977.

 

LORENZ, Konrad. A demolição do homem. São Paulo, Brasiliense, 1986.

 

LUTZENBERGER, José. Ecologia. Do jardim ao poder. Porto Alegre, L&PM, 1985a.

 

____. Fim do futuro? Porto Alegre, Movimento, 1980a.

 

____. "Meio ambiente e política tecnológica: uma revisão de idéias". In: Anais da 2ª Reunião da SBPC Blumenau, p. 14-32, 1985b.

 

____. Pesadelo atômico. São Paulo, CHED Editorial, 1980b.

 

MAINWARING, Scott. "Grass roots popular movements, identity and democratization in Brasil". Kellogg Instituto University of Notre Dame. Notre Dame, Working Papers, 1986.

 

____ & VIOLA, Eduardo. "New social movements. Political culture and democracy: Brazil and Argentina in the 1980". Telos nº 61, 1984.

 

MASSACHUSETTS Institute of Tecnology. Inadvertent climate modification. Cambridge, MIT Press, 1971.

 

MEADOWS, D. Limites do crescimento. São Paulo, Perspectiva, 1972.

 

MESAROVICH, M. & PESTEL, E. Strategie pour demain. Paris, Seuil, 1984.

 

MEWES, Horst. "The west german green party". The New German Critique. University of Winsconsin, n. 28, p. 51-85, 1983.

 

MINC, Carlos. Como fazer movimento ecológico e defender a natureza e as liberdades. Petrópolis, Vozes, 1985.

 

MIRANDA NETO. O dilema da Amazônia. Belém, CEJUP, 1986.

 

MISCHE, Gerald & MISCHE, Patrícia. Toward a human world order. Beyond the national security straitjacket. New York, Paulist Press, 1977.

 

MISCHE, Patrícia. Star wars and the State of our Souls. Deciding the future of planet Earth. Minneapolis, Winston Press, 1985.

 

MITSCHERLICH, Alexander. A cidade do futuro. Rio de Janeiro, Tempo Universitário, 1972.

 

MORIM, Edgar. Da natureza da URSS. Complexo totalitário e novo império. Lisboa, Publicações. Europa-América, 1985.

 

____. Para salir del siglo XX. Barcelona, Kairós, 1981.

 

MULLER-ROMMEL, Ferdinand. "The greens in western Europe. Similar but different". International Political Science Review, v. 6, nº 4, p. 483-99, out. 1985.

 

NOVIK, I. Sociedad y naturaleza. Moscú, Ed. Progresso, 1982.

 

OFFE, Claus. "New social movements as a metapolitical challange". University of Bielefeld, West Germany, 1983.

 

____. "Reflections on the welfare state and the future of socialism". Contradictions of the Welfort State. The MIT Press, 1984.

 

OLIVER, George. A ecologia humana. Lisboa, Interciência, 1979.

 

OLIVIER, Santiago. Ecologia y suddesarrollo en América Latina. México, Siglo XXI, 1983.

 

OPHLUS, William. Ecology and the politics of scarcity. San Francisco, Freeman, 1977.

 

PATTERSON, Walter C. A energia nuclear. Lisboa, Dom Quixote, 1980.

 

PECCEI, Aurélio. Cem páginas para o futuro. Brasília, Ed. da Universidade de Brasília, 1981.

 

PINHEIRO, Sebastião et alii. Agropecuária sem veneno. Porto Alegre, L&PM, 1985.

 

PORRITT, Jonathon. Seeing green. The politics of ecology explained. Oxford, Basil Blackwell Publisher, 1984.

 

PRIGOGINE, Ilya & STENGERS, Isabelle. A nova aliança Brasília, Ed. da Universidade de Brasília, 1984.

 

PRINGLE, Peter & SPIGELMAN, James. The nuclear barons. New York, Holt and Winston, 1981.

 

RAMOS, Alberto Guerreiro. Considerações sobre o modelo alocativo do governo brasileiro. Florianópolis, UFSC, 1980.

 

____. A nova ciência das organizações para uma reconceptualização da riqueza das nações. Rio de Janeiro, FGV, 1981.

 

ROESSLER, Henrique Luis. O Rio Grande do Sul e a ecologia. Porto Alegre, Martins Livreiro Editor, 1986.

 

ROSA, Luiz Pinguelli. A política nuclear e o caminho das armas atômicas. Rio de Janeiro, Zahar, 1985.

 

ROSZACK, Theodore. Contracultura. Petrópolis, Vozes, 1976.

 

____. Persona/Planeta. Hacia un nuevo paradigma ecológico. Barcelona, Kairós, 1985.

 

SACHS, Ignacy. Ecodesarrollo. Desarrollo sin destrucción. México, El Colegio del México, 1982.

 

SAGAN, Carl. Cosmos. New York, Random House, 1980.

 

SANCHES, Mario. Unidades rurais de subsistência. A sociedade alternativa. Goiânia, Imery, 1984.

 

SCHELL, Jonathan. O destino da Terra. Rio de Janeiro, Record, 1985.

 

SCHERER-WARREN, Ilse. "O caráter dos novos movimentos sociais". Boletim de Ciências Sociais. Florianópolis, n. 35, 1984.

 

____. & REIS, Maria José. "As barragens do Uruguai: a dinâmica de um movimento social". In: IX Encontro da ANPOCS, 1985.

 

SCHINKE, Gert. "Uma contribuição ao debate sobre o movimento ecológico e a questão do Partido Verde". Porto Alegre, AGAPAN, dez. 1985.

 

SCHUMACHER, E. F. A guide for the perplexed. New York, Harper and Row, 1977.

 

SILVA, Elizabeth Farias da. O MDB/PMDB em Lages. Análise de um partido de oposição no governo. Universidade de Santa Catarina, 1985. Dissertação de Mestrado em Sociologia Política.

 

SILVA, L. A. Machado da. & RIBEIRO, Ana Clara T. "Paradigma e movimento social: por onde andam nossas idéias?". In. VIII Encontro da ANPOCS, out. 1984.

 

SKOLIMOWSKI, Henryk. Ecophilosophy. New York, Boyars, 1981.

 

SOLJENITSYN, A. El Archipielago Gulag. Buenos Aires, Sudamericana, 1975.

 

SOUSA, Luis A. Gomes de. "Secularização em declínio e potencialidade transformadora do sagrado. Religião e movimentos sociais na emergência do homem planetário". In: XVI Congresso Latino-americano de Sociologia. Rio de Janeiro, mar. 1986.

 

STONE, Roger. Sonhos da Amazônia. Rio de Janeiro, Guanabara, 1986.

 

TAMAMES, Ramón. Ecologia y desarrollo. La polémica sobre los limites del crescimento. Madrid, Alianza, 1979.

 

TANNER, R. Thomas. Educação ambiental. São Paulo, EDUSP, 1978.

 

TAVARES, Carlos. O que são comunidades alternativas. São Paulo, Brasiliense, 1983.

 

THOMPSON, Edward (org.). Exterminismo e guerra fria. São Paulo, Brasiliense, 1985.

 

TINBERGEN, Jean. Para uma nova ordem internacional. Rio de Janeiro, Agir, 1978.

 

TOURAINE, Alain et alii. Analyse d'un mouvement social. Pologne 1980-1981. Paris, Fayard, 1982.

 

____. La prophétie anti-nucleaire. Paris, Seuil, 1980.

 

TOYNBEE, Arnold. O desafio de nosso tempo. Rio de Janeiro, Zahar, 1979.

 

____. A humanidade e a mãe Terra. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

 

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar. São Paulo, Difel, 1983.

 

VARELA, Francisco. Principles of biological autonomy. New York, North Holland, 1980.

 

VIOLA, Eduardo & MAINWARING, Scott. "Transitions to democracy: Brazil and Argentina in the 1980". Journal of International Affairs, v. 38, nº 2, 1985.

 

VITALE, Luis. Hacia una historia del ambiente en América Latina. Caracas, Nueva Imagen, 1983.

 

WARD, Bárbara & DUBOS, René. Only one earth. Stockholm, 1972.

 

WEIL, Pierre. Sementes para uma nova era. Petrópolis, Vozes, 1984.

 

WIKINSON, Richard. Pobreza e progresso. Um modelo ecológico de desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro, Zahar, 1974

 

WILSON, Edward. Da natureza humana. São Paulo, EDUSP, 1981.

 

WOODWARD, Herbert. Capitalismo sem crescimento. Rio de Janeiro, Zahar, 1977.
RBCS 03



SUMÁRIO

  • O movimento ecológico no Brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica
    Eduardo J. Viola
    (RESUMO | ÍNTEGRA)

  • Também publicado em:

  • VIOLA, Eduardo . O Movimento Ecologico No Brasil, 1974-1986: do Ambientalismo A Ecopolitica. In: Jose Padua. (Org.). ECOLOGIA E POLITICA NO BRASIL. 1 ed. RIO DE JANEIRO: ESPACO E TEMPO, 1986, v. , p. 63-110.


 
1   2   3   4

similar:

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconVender como vino ecológico el vino que simplemente se ha elaborado...

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconOrigens do movimento romântico em Portugal

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconGuión radial ecológico

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconEducación para la sostenibilidad: Un enfoque ecológico

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica icon~ Rosario Castellanos, 1925 1974

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconEditorial Guadalupe, Buenos Aires, 1974

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconEditorial Guadalupe, Buenos Aires, 1974

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconLa desertización en brasil

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica icon© 1986 Javier Vergara Editor, S. A

O movimento ecológico no brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica iconSemana de Brasil en Ávila


Medicina





Todos los derechos reservados. Copyright © 2015
contactos
med.se-todo.com