Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens






descargar 108.58 Kb.
títuloRetratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens
página6/7
fecha de publicación27.10.2015
tamaño108.58 Kb.
tipoDocumentos
med.se-todo.com > Documentos > Documentos
1   2   3   4   5   6   7

Madalena Schwartz



Atuando mais intensamente na década de 1960, Madalena representa a condição do retratista fora do âmbito dos estabelecimentos especializados, estúdios que, durante mais de um século, foram o local de produção do retrato. Este gênero, agora não mais como campo profissional principal, surge associado a outras formas de produção como o fotojornalismo. Madalena, nascida em Budapeste e radicada no Brasil em 1960, participa regularmente do circuito fotoclubístico. Na década de 1970, registra intensamente a cena teatral paulistana, ao mesmo tempo em que faz do retrato sua marca, fotografando personalidades da área cultural. Responde ainda por um expressivo registro de travestis e gays, vários deles ligados a grupos teatrais como Os Dzi Croquetes.
A presença expressiva das mãos no retrato do ator Walmor Chagas, realizado no final dos anos 70, revela um foco de interesse característico de Madalena. Abaixo, o físico e crítico de arte Mario Schenberg. Nas páginas seguintes, Elke Maravilha e o bailarino Ismael Ivo, ambas as imagens datadas da década de 1980.

Bubby Costa


Durante os anos 60, Bubby Costa estabelece uma forte marca com seus ensaios de nus femininos, praticamente ajudando a estabelecer um segmento do mercado editorial de revistas. Ao mesmo tempo atua em moda, na publicidade e em foto de beleza, um setor que merece atenção para o tema do retrato. A partir do final da década de 1980 dedica-se com mais intensidade ao retrato, registrando personalidades da cultura e da sociedade paulistana. Seus portraits de mulheres, mesmo na esfera da sociedade, trazem ainda a marca da sensualidade, de um certo erotismo.
Ao lado, o artista plástico Emanoel Araújo, numa imagem da produção mais atual de Bubby, exposta em 2000. Abaixo, o ator e diretor de cinema Anselmo Duarte, num registro da década de 1970.

Tripoli



Os anos 70 marcam um período em que a expansão da fotografia publicitária e de moda, na década anterior, permite agora um trabalho profissional em melhores condições e num contexto aberto a experimentações. Luis Tripoli surge como um dos principais fotógrafos, em especial no segmento de moda, preocupado em manter uma identidade autoral. Em 1973, lança O arquivo secreto do fotógrafo Tripoli, publicação distribuída em bancas. Sua visibilidade na mídia, junto com Miro, ajuda a formar parte da figura imaginária do fotógrafo no período. O fotógrafo, em especial o de publicidade e o de moda, ganha status de personalidade: o imagemaker - responsável pela construção de imagens de uma nova sociedade. Em 1978, Tripoli publica Meus olhos, livro em grande formato, com retratos de personalidades. Ao final da década seguinte, passa a atuar no mercado de filme publicitário.
O retrato do ex-ministro Antonio Delfim Neto, na página ao lado, integra o portfólio Meus olhos, imagem de 1973. Nas páginas seguintes, a modelo Ana Paula Arósio e o estilista Alexandre Herchcovitch, realizadas ao final da década de 1990.

Vania Toledo



Socióloga de formação, Vania começa a atuar como fotojornalista em veículos com Interview e POP, na década de 1970. Cobrindo a noite em São Paulo, sempre próxima às cenas teatral e musical, Vania lança em 1980 o livro Homens, em que consegue associar imagens de nus masculinos a uma abordagem bem humorada. Essa associação talvez tenha permitido que a publicação fosse tão bem aceita num contexto em que a produção e a circulação de imagens de nu masculino eram praticamente inexistentes. Na década de 1980, atua, em suas colaborações para a imprensa, como uma documentarista da cena cultural e da noite paulistana. Em 1992, Vania lança o livro Personagens femininos, em que mulheres representam temas de livre escolha. São imagens de caráter mais teatral, produzidas em estúdio, mantendo ainda o tom humorado, que indicam o domínio das condições oferecidas no set.
Do ensaio Homens, a imagem, abaixo, do diretor de teatro José Possi Neto. A seguir, da série Personagens femininas, de 1992, as atrizes Nicete Bruno e Beth Goulart. Nas páginas posteriores, as atrizes Etty Fraser e Miriam Muniz.

1   2   3   4   5   6   7

similar:

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconEscola Politécnica da Universidade de São Paulo

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconEncontros e desencontros em um bairro da periferia da cidade de são paulo

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconLo Fantasmático Social y Lo Imaginario Grupal

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconLo real, lo imaginario, lo simbolico pablo Cazau

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconRegião de governo de são joão da boa vista

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconEl suceso en el cual se fundamenta este relato imaginario ha sido...

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconPaulo Coelho, es uno de los escritores con más obras vendidas vendidos...

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconA maioria dos alimentos que ingerimos são uma mistura de moléculas...

Retratos do imaginário de São Paulo: fotógrafos e personagens iconCom falta dos nºs: 1, 5, 6, 9, 25, 33, 34, 35, 49, 61, 62, 63, 75,...


Medicina





Todos los derechos reservados. Copyright © 2015
contactos
med.se-todo.com